Desenvolvedor de Tecnologia

Adoro me intitular de "desenvolvedor", mesmo que isso soe assim como criador de frangos. Contudo é o que mais tenho feito nos ùltimos anos. E nada tem a ver com a programação ou graduação acadêmica.

ET Phone Home

Há anos eu observei que o ser humano não gosta de ler, querem tudo mastigado e sempre me senti um alienigena porque, deixando a minha enorme modéstia falar por mim: "...nasci com uma mente muito avançada para o meu tempo e me interesso em aprender tudo o que eu posso."... Brincadeirinhas à parte, graças à criação divina, Deus me fez diferente. Ainda bem que não foi com quatro braços, Ufa!

Realmente tenho algumas habilidades com as mais diversas ferramentas, sejam digitais, analólicas ou físicas. Assim é o Mário que é chamado para trocar uma lâmpada, um sifão, um pneu, um disco rígido, baixar algum software ou mesmo configurar uma impressora. Tenho uma coleção de histórias de como salvei a vida das pessoas com soluções simples. Minha esposa diz que, com um chiclete, um clips e uma borrachinha eu faço coisas inacreditáveis.

Na vida real

Na vida real o desenvolvedor é aquele cara chato do TI que diz como você deve fazer o seu trabalho, é o cara que muda as coisas de lugar no seu computador e apaga as fotos e os seus históricos de navegação.  Pior mesmo é quando fica fungando no seu pescoço dando pitaco: agora vai ali, agora vai aqui. É também que não avisa quando as coisas param de funcionar nem quando retornam e sempre é culpa dele quando um site está inacessível. São os ossos da profissão, que deve ter, lá bem no fundo, alguma coisa boa. O pior mesmo é quando o sistema dá pau, ele demora pra vir ver e, quando vam e você vai mostrar, tudo está funcionando perfeitamente. E você começa a ficar até meio receoso de chamar quando isso acontece frequentemente. 

Eu não gosto de aparecer e sinceramente não tenho o objetivo de atrapalhar o trabalho de ninguém, mas a função do desenvolvedor é justamente construir o seu ambiente de trabalho. Para isso usa de técnicas e habilidades que você não precisa parar seu trabalho para aprender. O importante é que você tenha liberdade de transmitir como você faz todo o seu trabalho. Você não será demitido porque outra pessoa saberá fazer o que você faz, não neste caso.  Uma vez que tenha essa informação, que é extremamente complexa, o desenvolvedor irá instruir o computador para este auxiliar o seu trabalho. Você pensa e o computador faz o trabalho com a mesma acertividade que você transmitiu ao desenvolvedor. Parecia simples quando comecei a escrever isso.